finding it (what is it?) it is what we try to find...

Eu acho que durante anos segui a história da rapariga que pensava que não se sabia apaixonar; ou melhor, pensava que me apaixonava a todo o instante e contava as desilusões que tinha pelas tentativas frustradas para encontrar a pessoa certa.
Diziam-me que "o amor é uma coisa de adultos"; e eu olhava-me ao espelho: de óculos, sardas, aparelho nos dentes e cara de totó e pensava que não havia maneira de ninguém olhar para mim.
Saía com os amigos à sexta e sábado à noite. Amigos. Gargalhadas. Café. Conversa. Bailey's. Música alta e o corpo a dançar sozinho. Chegava a casa sozinha aos fins de semana depois de ter ido para o café com os amigos e a cama estava fria, vazia; sabia que o telemóvel não tocaria mais nessas noites e eu adormecia agarrada à almofada a pensar que era a única pessoa que não sabia realmente o que era amor.
Um dia decidi mudar, decidi não olhar para trás, esquecer as frases "eu só gosto de ti como amiga" e propôr a mim própria que não me iria apaixonar por mais ninguém, pois realmente ninguém sabia realmente como eu era, nem iria saber...se eu não quisesse.
Olhei para trás e reparei que afinal o amor sempre tinha existido, mas nunca me tinha apercebido de que faltava algo fundamental para que eu soubesse o seu significado no seu pleno: ser amada de volta. Tal e qual como as princesas dos contos de fadas.
Acho que fui enganada pelos adultos. O amor é de quem o souber sentir e não é uma coisa de adultos, há tantos adultos que nunca o chegaram a encontrar...
Lembro-me de uma frase que tinha escrita num bloco qualquer, "até o amor não correspondido tem o seu arco-íris", e tem...o importante é amar, o importante é sabermos amar de coração aberto;o amor vê-se num gesto, num olhar, numa frase, numa tela de cinema, numa pintura, num outdoor publicitário... love is everywhere.
Everybody needs a place to think. Everybody needs a place to love.
(para:Psiu)

18 comentários:

goti disse...

essa historia parece-me estranhamente familiar... tanto que estou seriamente a ponderar que a palavra amor, nao é nada mais nem menos que somente algo idealizado pelo nosso desenvolvido cerebro, como desculpa a termos de nos juntar a outro de forma a satisfazer uma necessidade basica que todo o animal tem (mesmo tao desenvolvido como nos): sexo, reproduçao..

Ana, dona do café disse...

tudo bem que a finalidade específica falando em termos de evolução humana está encaminhada, obviamente para essa ideia; mas o que quero dizer é que, passamos tanto tempo a pensar que somos novos demais para nos apaixonarmos a sério e para sabermos realmente o que acontece por isso acontecer, que nem damos conta que amar não tem idade e é demonstrado de tantas formas diferentes que damos connosco a crescer e a pensar em "príncipes encantados"...é preciso haver uma partilha, um dar-receber; não por obrigação, mas algo que se torne numa espécie de redoma onde dentro se vai cultivando o amor pelas duas pessoas que estão dispostas a fazerem-no.
O que eu falei foi mais na base da capacidade, ou falta dela, que as pessoas têm para olharem em volta e não para si mesmas a pensar que o mundo é mau para elas e nunca serão felizes porque sonham alto e caem sempre com demasiada força no chão. Há que olhar em volta...quando damos por nós, apaixonamo-nos...click!

ŖąŧŏŋČļąŵş disse...

Bem... Eu quando passei por essa "experiência" nem telemovel tinha para esperar que ele tocasse... És uma sortuda...

Agora a sério: Isso dos principes e princesas para mim é uma grande tanga! Se eles/elas realmente existissem... Bem! Era o gajo mais feliz do mundo! É uma ideia que criei enquanto adolescente: a de vir encontrar aquela pessoa! Utópico! Nada mais utópico que isso... Não fosse isso um "conto de fadas"!

UnaRagazza disse...

Tens tanta razão... Enquanto as pessoas não deixarem de olhar só para si próprias nunca vão reparar em quem está a olhar para elas. É aquela ideia de que se não gostarmos de nós e nos abrirmos ao mundo, nunca vamos deixar ninguém aproximar-se devido às nossas defesas inconscientes... Há que estar mais receptiva...
Mas também acho qe o amor não tem nada a ver com idades.
(Belo post)

Ana, dona do café disse...

normalmente sobre os príncipes encantados costumo dizer que não existe porque quem o encontrou foi a bela adormecida, a branca de neve, etc etc... ou seja, com tanta rodagem não o quero para nada :P
(embora deva confessar que cada pessoa possui os seus proprios principes ou princesas encantados(as)... aos nossos olhos sao quem nos rouba o coração :) *

Ana disse...

As histórias de encantar não existem... mas mesmo assim acho que a melhor opção não é cruzar os braços à espera!
O que nos magoa só nos torna mais fortes...

Miss I disse...

Sem querer estar em "des-sintonia" com o resto dos comentários, a verdade é que eu acredito que existe a nossa cara metade. A sério que acredito. Não é que esteja sentada à espera do príncipe encantado ou acredite que está no primeiro rapaz que gostar de mim (onde isso já vai!), mas tenho confiança que existe e mais: que eu vou encontrar! lol

É como a Ana diz, para ser a nossa "meia-laranja", só basta que haja uma troca de sentimentos que tornem essa pessoa especial e seja com ela que queremos viver o resto da nossa vida (ou para começar, a próxima semana). E sim, acredito que o amor realmente existe e não é só a nossa imaginação porque há coisas que duram e duram, ano após ano, sem haver nenhuma explicação lógica e o "clique" sente-se assim que se faz contacto visual com "o tal", um sorriso no olhar!

Ana, dona do café disse...

sim miss i, eu tb acredito...e como tenho vivido a prova disso... não há como refutar :P
beijinhos

rps disse...

O amor eterno chega a durar três meses!!!

brun0.m@rkez disse...

eu acredito que cada um de nós tem alguem em perfeita sintonia com o nosso coração...
existi um + para cada -, um sim para cada não como é natural da Mãe!
o difícil é encontrar essa pessoa no "pequeno" mundo!

Black Cat Thirteen disse...

obrigado Ana :)

*

ivan (aka bandinho) disse...

ja tive um amor infinito que acabou ao fim de 4 anos. outr que acabou ao fim de 3 meses.

acho que o que interessa é amar, mesmo. não importa se dura muito ou pouco.. os capítulos seguintes podem serm com os mesmos personagens, ou nã!!!

Kika disse...

Ouvi um comentário que se pode adquar ao post:

" Quem quer um principe encanto pode nao encontrar o homem certo"

Teoriazita disse...

o amor é o q cada um de nós sente q ele é! :)

contadordehistorias disse...

O amor é por vezes uma enxaqueca aguda que nos turva o sentido, mas por vezes é doce.
Olha para o amor como uma mistura agridoce para temperar a vida.´

beijos

secrethell disse...

frente:

AVISO: amor mata.

verso:

amar pode causar doenças cardiovasculares

Andreia disse...

A nossa motivação para amar alguém depende muito do quanto sofremos, da nossa história, da nossa cicratização...
Acho que para amar é preciso pelo menos conseguir sentir respeito, carinho, admiração, companheirismo, preocupação...Porque o físico não faz tudo. E se não houver alguns elementos-chave esse "amor" em pouco tempo vai ser só cinza.

Duas pessoas podem passar muito tempo a descobrir-se, mas há alturas em que as coisas acontecem de uma forma muito rápida. Não há leis para amar; é a beleza disso...Nunca sabemos como, quando, onde, com quem vai acontecer.
Eu já aprendi que não podemos escolher quem amamos...por isso quando amarmos...é agarrar isso, independentemente de tudo.

Anónimo disse...

O AMOR É ... tu quereres e eu querer, e nós querermos os dois e ... (já fui tirando as calças. Por que esperas?).

AC