The worst is over now...and we can breathe again...

Abro os olhos devagar.
Já é de dia.
Aparecem-me diante dos olhos fragmentos de coisas que, a mim, me parecem irreais.
Penso no que foi, no momento em que olhaste nos meus olhos e me desarmaste.
Eu, tão semi-orgulhosa, do alto do meu pedestal, fui arrancada tão abruptamente que, ao pensar nisso, me corre um frio no corpo.
Sinto-me inerte, tento mexer-me, mas estou bloqueada. O meu pensamento já vai longe, muito longe...pergunto-me se a aproximar-se ou a afastar-se de ti?
Ouço uma voz a puxar-me para a realidade, mesmo a minha distância não sendo a de uma sensação boa, daquelas que não apetece largar.
És tu.
Os teus olhos verdes olham-me e fazes-me regressar.
Regresso, mas não totalmente, há uma parte de mim que ficou presa ao momento que passou. Essa parte ninguém ma pode tirar e mesmo que ma quisesses arrancar, não podias.
Hoje ganhei um segredo e deitei a chave fora para ninguém o encontrar, para ninguém mexer no que passou, naquilo que já não se pode mudar, embora a mente, em parte, o queira fazer.
Não há em mim o sentimento estupidificante de, intimamente, saber que a sensação é boa. Não, é pior. É indiferente. Não mudou nada; passou, aliviou-me o espírito...mas passou. Pensava que ia sentir aquele vazio que dói, ou a alegria que faz o coração apertar de ansiedade. Mas não...
Viro-me para o lado oposto da cama.
Olho a foto em que estás tu e eu...e, inevitavelmente, não posso deixar de sorrir...

4 comentários:

Wakewinha disse...

Por vezes vale mais vivermos com as recordações, do que com aquilo que delas sobrou. Vale mais vivermos com imagens em retratos de outrora, do que com a personificação dessas imagens, que guardam já tão pouco do que eram antes... =S

Anónimo disse...

As pessoas vao vir....e vão ir!
As coisas, a mesma coisa!
E o que resta?
Restam as memórias. Memórias que por muito que carreguemos no Delete...elas vão lá estar...(por vezes boas... por vezes más)...
É engraçado, o facto de sentirmos. Quer dizer, de facto, muitas pessoas não pensam no facto de que sentem. Limitam-se a sentir.
É necessário sentir com os olhos, cabelos, com a 12ª célula do fígado a contar da esquerda!!!... Sentir que estamos a sentir...podermos sentir que estamos a sentir...é realmente um sentimento forte. Será que é dificil de entender? Eu sou um tipo um pouco difícil de entender! E além disso...também sei dançar, querem ver?
Beijocas,
Duarte Grilo
P.S.: Amiga Ana, tenho pena por nao me teres convidado para um café mais cedo! Espaço bem frequentado, e, a partir de hoje, com mais um cliente assíduo e pontual!
CHEERS, AND SHAKE IT EASY!

contadordehistorias disse...

Tornam-se os momentos tão escassos para sorrir, para encontrar o que está por detrás do espreguiçar ensonado em cada manhã. Sejam pequenos mas que fiquem sempre...
beijos

Ana, dona do café disse...

Duarte: não gosto muito de pessoas que combinam cafés comigo e que depois não atendem o telemóvel e não mandam msg sequer a pedir desculpa por não terem aparecido... acho que é o mínimo e o básico, não?
E eu que ainda me dei ao trabalho de mandar msg a lembrar-te..
Enfim, espero que te tenhas divertido à mesma. Café contigo agora?...leva-me ao Ritz.
Beijo