Para aqueles que não conhecemos e nos salvam sem sabermos


"Josefa, 21 anos, a viver com a mãe. Estudante de Engenharia Biomédica, trabalhadora de supermercado em part-time e bombeira voluntária. Acumulava trabalhos e não cargos - e essa pode ser uma primeira explicação para a não conhecermos. Afinal, um jovem daqueles que frequentamos nas revistas de consultório, arranja forma de chamar os holofotes. Se é futebolista, pinta o cabelo de cores impossíveis; se é cantora, mostra o futebolista com quem namora; e se quer ser mesmo importante, é mandatário de juventude. Não entra é na cabeça de uma jovem dispersar-se em ninharias acumuladas: um curso no Porto, caixeirinha em Santa Maria da Feira e bombeira de Verão. Daí não a conhecermos, à Josefa. Chegava-lhe, talvez, que um colega mais experiente dissesse dela: "Ela era das poucas pessoas com que um gajo sabia que podia contar nas piores alturas." Enfim, 15 minutos de fama só se ocorresse um azar... Aconteceu: anteontem, Josefa morreu em Monte Mêda, Gondomar, cercada das chamas dos outros que foi apagar de graça. A morte de uma jovem é sempre uma coisa tão enorme para os seus que, evidentemente, nem trato aqui. Interessa-me, na Josefa, relevar o que ela nos disse: que há miúdos de 21 anos que são estudantes e trabalhadores e bombeiros, sem nós sabermos. Como é possível, nos dias comuns e não de tragédia, não ouvirmos falar das Josefas que são o sal da nossa terra?"

O reconhecimento sentido a todas as Josefas deste mundo.
A todos os heróis desconhecidos que nos salvam sem sabermos, obrigada.

4 comentários:

MissGummyBear disse...

Fiz um post igualzinho há pouco tempo, precisamente porque este texto me tocou imenso. É fantástico não é? O texto e o carácter da bombeira. Uma situação que mexe muito connosco, de facto.

Ana, Dona do Café disse...

Olá MissGummyBear (be welcome!)
Toca por ser tão jovem, ter feito tanto por nada, pela tragédia que aconteceu e por vermos os nossos bombeiros e outros meios e populações envolvidas todos os verões (e todos os dias também) a debaterem-se contra a fúria da Natureza, muitas vezes derivado a comportamento doente ou somente estúpido de alguns.
Não é o Cristiano Ronaldo que nos salva a casa, não é a selecção que perde horas e horas em exaustão em voluntariado pelas florestas...
São estes os nossos heróis desconhecidos e esquecidos e nós nem sabemos quem são e aplaudimos outros.
Convém lembrar de vez em quando... A*

Catarina disse...

Infelizmente nem toda a gente sabe reconhecer o que pessoas como a Josefa fazem. Não tenho o hábito de ler jornais, por isso não conhecia o texto, mas de facto, toca os sentimentos de qualquer um de nós.

Candy disse...

parabens mesmo a todas as josefas que vivem no anonimato e fazem sempre imenso por o nosso povo :)

obrigada pela partilha do texto

beijinho