versos...

Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo
Mal de te amar neste lugar de imperfeição
Onde tudo nos quebra e emudece
Onde tudo nos mente e nos separa

Que nenhuma estrela queime o teu perfil
Que nenhum deus se lembre do teu nome
Que nem o vento passe onde tu passas.
Para ti criarei um dia puro
Livre como o vento e repetido
Como o florir das ondas ordenadas.

Sophia de Mello Breyner Andersen


Acho que não preciso fazer comentário algum a estes versos, impressionantemente sublimes. Como me apaixonei por eles há uns anos atrás, achei que os devia dar conhecer a quem nunca os leu;
Às vezes esqueço-me da grande mulher que foi Sophia, mas mal folheio a Fada Oriana, que me encantou pela minha infância fora, ou percorro os meus dedos pelas páginas com versos seus, sinto aquela nostalgia pela sua perda, misturada com aquele orgulho patriota das grandes obras que Sophia nos deixou para perdurarem no tempo e espalharem a magia que as suas palavras encerram.
Um beijo

6 comentários:

Jmn disse...

Obrigado por teres passado pelo blog, vai passando lá que tens aqui também um novo visitante...:)
Bjufas

Wakewinha disse...

Que lindo poema! Que forma estranha de amar! =)
Mas por vezes dá mesmo vontade disso mesmo, né? De isolarmos o nosso amor do resto do mundo; de construirmos à nossa volta uma redoma de vidro onde ninguém pode entrar, e por isso, ninguém pode destruir o q construímos...

Ana, ainda bem que prezas os nosso valores literários. Eu também os prezo. Mas somos tão poucos... Temos pelas gerações seguintes: vão ignorar nomes como Camões ou Fernando Pessoa, nomes que elevaram a nossa pátria a um estatuto que muitos ignoram: uma pátria com um vastíssimo legado cultural!

Bjs pra ti... ;)

rui disse...

Muito bem lembrado....uma senhora que nunca devera cair no negro do esquecimento.uma das grandes escritoras nacionais...so n precebo e como pode ter um filho tao...mas isto ja sao gosto pessoais.agora em geito de homenagem vou dedicar um poema de florbela a sophia,sophia esta e a florbela...florbela esta e a sophia :D

A vida

É vão o amor, o ódio, ou o desdém;
Inútil o desejo e o sentimento...
Lançar um grande amor aos pés de alguém
O mesmo é que lançar flores ao vento!

Todos somos no mundo,
Uma alegria é feita dum tormento,
Um riso é sempre o eco dum lamento,
Sabe-se lá um beijo de onde vem!

A mais nobre ilusão morre... desfaz-se...
Uma saudade morta em nós renasce
Que no mesmo momento é já perdida...

Amar-te a vida inteira eu não podia.
A gente esquece sempre o bem de um dia.
Que queres, meu Amor, se é isto a vida!

Florbela Espanca


que a tua morte,tao falada como a de todas as grande pessoas, pelo menos sirva pa te dar a conhecer a quem tao triste anda por ainda n o ter feito.

Andreia disse...

Nunca fui especial fã da Sophia...mas realmente esses versos são, lindos! :) Ou então já sou só eu que vejo tudo assim.

Miss I disse...

Fiquei mesmo interessada neste cantinho! Vou voltar de certeza :) Espero que não haja problema em comentar aqui e não no post + recente, mas a verdade é que a "Fada Oriana" é um livro que me é muito querido (a minha prof. primária leu-o para nós na 2ª classe). Esta grande senhora que encantou e continua a encantar a cada palavra que escreveu.

Mais uma coisa.. o filme Before Sunset é lindo! Cheguei a escrever sobre ele e realmente.. nem sei o que dizer, apenas sentir!

Parabéns pelo blog! :)

Del Giorgio disse...

Ando mesmo a leste... Eu sei lá o que é que a minha prof primária me leu... Eu queria era ir jogar à bola!
Por falar em bola: o FCP é campeão intercontinental. Também levou o bom nome e fama do país por esse mundo fora :)