Quem escreve...

Deixo-vos aqui duas tulipas brancas...(as minhas flores preferidas).
Um poema de António Ramos Rosa, que tem poemas lindíssimos, e um texto desta humilde escritora e dona do café, que sou eu e, também sou eu quem escreve (e, neste blog, com alguns amigos a quem agradeço).
Um beijo
Quem escreve
Quem escreve quer morrer,
quer renascer num ébrio barco de calma confiança.
Quem escreve quer dormir em ombros matinais
e na boca das coisas ser lágrima animal
ou o sorriso da árvore. Quem escreve
quer ser terra sobre terra, solidão
adorada, resplandecente, odor de morte
e o rumor do sol, a sede da serpente,
o sopro sobre o muro, as pedras sem caminho,
o negro meio-dia sobre os olhos.
António Ramos Rosa
O Que eu Amo
Amo a inteligência, a capacidade de criar e de pensar. Amo a imaginação, a pintura, a criatividade,os sombreados, a expressividade e o simbolismo dos desenhos e das cores. Amo o sonho, originalidade do pensamento, a honestidade das palavras e a simplicidade das pequenas coisas da vida.
Amo as palavras, os versos, os textos que leio, os textos que escrevo e as linhas que não escrevo, mas que as sinto minhas. Amo a música, a dança, o ritmo, a harmonia e a força poderosa que encerram.
Amo poder ver de olhos fechados, poder entregar-me a cada momento com toda a minha intensidade. Amo poder mudar o meu destino com um só gesto, palavra ou sentimento.
Amo pensar que cada dia é-me dedicado a mim e, sem modéstia, saber que sou especial por ser assim.

11 comentários:

Del Giorgio disse...

Sinto o peito implodir.
Já pouco mais cabe cá dentro para guardar só para mim.
Cada vez mais recebo imagens, sons, cores, luzes, cheiros, toques, etc etc que me fazem sentir que a água do rio não corre para o mar, o mar é que a puxa; a água da chuva não cai, a terra é que a pede; os pássaros não cantam, nós é que os ouvimos pois eles só querem falar.
Vivemos de necessidades, vivemos de quereres mas é algo mais.
Não tenho de ter, apenas vivo para te ter.
Não tenho de existir, apenas nasci porque existes.
Não consigo amar mas consigo mudar.
Para amar alguém especial por ser assim...

NR disse...

Bem bonito! :-)
Bjos

MrX disse...

Beautiful!***

Andreia disse...

E é tão bom acordar de manhã, olhar lá para fora e ver...ver com o coração, que no íntimo somos importantes, temos significado, quanto mais não seja para nós mesmos...

Beijos enormes :)

Ricardo disse...

Lindooooo!!!!

Anónimo disse...

Sim senhora...lindo blog...não sabia que eras assim tao poeta eheh...sinceramente nao gosto de poesia...nunca foi o meu forte mas dou os parabens a quem se esforça para a entender e sobretudo passa-la para o "bloco de notas"...ainda me lembro na escola quando tinha que "decifrar" aqueles poemas todos etc...nao gostava mas tinha que ser...por alguma razao acabei com 10 a portugues A :S Felicito a Ana pela sua veia artistica e que continue assim :) * RoMbA *

Pecola disse...

=o)

If you gotta live, live with a smile! :P

Bom 2005!

Anónimo disse...

Este é um tema simplesmente curioso, mas ao contrário de um café eu tomo-o com vontade. Quem escreve maneja uma arte esquecida, a dos nossos antepassados trovejadores. Escrever é esculpir o nosso mais profundo pensamento, é saber pintar as nossas ideias em sistemas e sintagmas, dando textura, conteúdo e expressão ao raciocínio. Escrever é sonhar, é viver. Sonhar é estar acordado. A nossa vida podia ser um sonho. Sonhar é reconstruir os nossos medos e desejos. É a harmonia e a desarmonia. E a vida o que é?


Domingos Pereira

Thomas disse...

Detesto poesia. Poesia é um tormento emocional que os poetas nunca conseguiram ultrapassar. Sempre considerei os poetas e os ditos trovadores(contadores de histórias) como sendo sempre melancólicos. Este lindo texto é um mero desabafo da tua existência. Sempre questionamo-nos sobre as nossas experiências nesta grande escola da vida. É muito lindo escrever sim senhor mas muito mais importante é sentir e dúvidar. A dúvida é sinal de inteligência. Nunca conformamo-nos com aquilo que temos, daí sempre andamos à procura de algo mais, algo diferente, para sentir-mos vivos quer felizes quer infelizes. Se realmente amas a vida começa amando a ti próprio e vai vive-lo lá fora... não num poema.

Ana, dona do café disse...

primeiro, sr thomas baron, o que escrevi não é um poema.
Segundo, se te parece que escrevo meros desabafos da minha vida acho que devo agradecer por me conseguir exprimir tão bem (ou tão mal às vezes) e ter reacções e críticas bem formuladas das pessoas que se identificam com o que escrevo.
Não se tratará de amor próprio escrever e dizer que me considero especial que sou assim? Não pretendo com um texto meu justificar-me num desabafo, ou dar-me a conhecer, simplesmente gosto de o fazer, dá-me gozo e é algo tão meu e tão pessoal que só poderia ser meu, senão provavelmente escreveria só para mim e nem teria a ousadia de ter um blog com coisas que escrevo.

Uma coisa é não gostar de poesia por não a saber apreciar, ou apenas por não gostar do que se lê... agora chamar à poesia um "tormento emocional", soa-me quase a um insulto, não por me considerar sequer poetisa, mas por apreciar bastante quem escreve poesia e por admirar quem consegue trabalhar tão bem esta Arte.
Sabes aquela música especial com aquela sonoridade e com aquela letra que sabes de cor e que a cada acorde te soa magnífica?...já pensaste se podes considerar que foi um poeta envolto numa tormenta emocional que consideras melancólico que a escreveu?...será que isso não consideras poesia?
Há tanta poesia sublime por aí (experimenta só ler Fernando Pessoa com atenção - não por esforço ou obrigação,senão não adianta- e tenta apreciar as suas palavras); e não me refiro a poemas melancólicos ou elaborados de tal maneira que se tornam confusos...Às vezes em palavras simples podemos encontrar tudo o que precisamos sentir. Poesia é sentir.
Quanto às dúvidas e à ambição de um poeta por atingir a perfeição...claro que pode existir, aliás, todos nós caminhamos em direcção a algo e num caminho em que exigimos mais de nós a cada dia que nos vamos conhecendo, é dessa ansiedade de conhecer, de melhorar, que somos feitos...nunca conseguindo, obviamente, ser perfeitos.
A nossa vida não cabe num poema. mas existe poesia na nossa vida a todo o instante e não é preciso ser poeta para escrever poesia, é somente preciso sentir.

Del Giorgio disse...

"é muito lindo escrever sim senhor mas muito mais importante é sentir e duvidar"

Um comentário no mínimo infeliz para a dona deste blog.
então achas que ela escreve... porque não tem + nada para fazer! Não escreve porque SENTE e não digas "ana" e "duvida" na mesma frase que até te repetes...
Se há alguém que duvida de tudo, não por desconfiar mas por se questionar a ela própria, então diz olá à ana.
Se viveres através de livros, de poemas, do que os outros escreveram, aí sim. Tás a viver o que os outros viveram. Mas se daí tirares algo que te faça encarar a tua própria vida duma outra forma, de preferência, + sensível, não sei onde está o "mal" em se ser poeta ou se querer explodir em palavras, com uma só caneta.
Pontos de vista...