Um dia de chuva

Basicamente pouco se pode fazer num dia de chuva então eu hoje estou com a maior das calmas sem ter horários nem compromissos o que também é bom desde que não em demasia... Aproveitei e fiz para o lanche panquecas... a minha mãe está de férias e também merece uns mimos de vez em quando... Hoje também estou nostálgica... é estranho que sempre que eu não tenho nada que me ocupe a cabeça penso, penso, penso... em tudo e mais alguma coisa... Mas não são pensamentos daqueles que eu tenho quando o autocarro está preso no trânsito do Porto e eu reparo que já não vou chegar à faculdade a tempo... e aí vejo tudo o que me rodeia e chego a rir-me sozinha pois eu sou daquelas pessoas que não pode ver nada que com isso fáz um filme; são pensamentos mais complicados e que me assutam... lembro-me quando era pequena e morreu um pássaro de ter perguntado ao meu avô para onde é que o pássaro ia... e ele respondeu com um sorriso dizendo "para o céu" e eu respondi... "então vou-me voltar a encontrar com ele?" o meu avô respondeu "Não penses nessas coisas"...

Agora penso que irei reencontrar o meu avô e a sua sabedoria... É que encontrei numas coisas dele, aqui no quarto onde ele dormia, é que ele em 1985 foi operado e escreveu em cerca de 5 páginas a sua aventura naquele hospital e eu chorei de tanto rir, ele a descrever o modo como as pessoas se queixavam com dores, as comparações dele espantosas... ele era excelente na sua escrita... extremamente pormenorizada e com associações muito, muito inteligentes e com imenso humor... Era carinhoso em tudo o que fazia... a ele seguia à risca a máxima "põe quanto és no minimo que fazes"...

Abdicou da sua vida em detrimento da minha avó que estava de cama... ele fazia tudo em casa e ainda tinha algum tempo para fazer umas coisas em madeira (pequenos mimos para os netos), e o cuidado com as plantas ? Tudo quanto estava para morrer nas mãos dele ganhava logo outra grandeza! Era uma pessoa excepcional que me deixou muitas saudades. Este ano fui muito colocada à prova... 28 Outubro morre a minha avó... 28 Junho o meu avô... Hum... acredito cada vez mais em amor eterno... este foi eterno pois o meu avô se morreu de alguma coisa foi apenas de um desgosto de amor !

2 comentários:

Ana, dona do café disse...

Minha querida Joana

É sempre bom ouvir-te falar do teu avô com tanta ternura e admiração... :)

Por aqui pela casa da tia não tenho feito grande coisa..

Ela hoje fez anos, 50 anos super bem conservados, mas custou-me vê-la chegar a casa tão cansada de aturar os choros da minha avó, que stressa com tudo, e o comportamento do meu avô, que desde que se descobriu que ele tem um tipo de alzheimer, so faz disparates...
E ela está sempre do lado deles, a ajudá-los, a acarinhá-los...

Quando eu fôr bem velhinha não quero dar trabalho nenhum a ninguém, mas se tiver que dar trabalho, gostava de ter uma filha tão dedicada como a minha tia é aos meus avós.
um beijinho :p

Joana Santos disse...

Hum... pois eu percebo, o pai do meu pai também era muito complicado, ele queria ir para um lar, o meu pai colocou-o num lar, depois quis ir para casa, o meu pai arranjou uma senhora para tratar dele, depois já não queria a senhora lá, o meu pai passou a ir lá a casa dormir todas as noites e durante o dia uma senhora tratava do meu avô... mas agora o meu pai defende que fez tudo o que podia para o tratar bem... ele morreu com 90 e tal anos com o meu pai ao lado...